EL LIBRO DE LOS INMIGRANTES

EL LIBRO DE LOS INMIGRANTES
Pídalo a lusodescendientes@yahoo.com.ar

jueves, 30 de junio de 2011

DIARIOS DE PORTUGAL






miércoles, 29 de junio de 2011

lunes, 27 de junio de 2011

DIARIOS DE PORTUGAL 27/6/11




Querían pedalear desnudos para promover las biciclertas en Lisboa

Mesmo com as partes pudendas tapadas, por causa das exigências de decoro das autoridades, dezenas de ciclistas participaram este domingo na primeira edição lisboeta do World Naked Bike Ride, um passeio de bicicleta destinado a promover o uso deste meio de transporte.

“O trânsito em Lisboa é obsceno, mas o nosso corpo não”, proclamava um dos cartazes da iniciativa. Trajado com cartola na cabeça e lenço palestiniano amarrado em cima dos trusses puídos, um inglês a residir em Portugal indignava-se com a “estupidez da proibição” do nudismo: “No resto da Europa esta iniciativa não é feita com os ciclistas nus? Portugal não pertence à Europa?”.

www.publico.pt




Fotos José Carlos Pratas/ DIARIO DE NOTICIAS/ 

LA CRISIS/ En Portugal quieren cerrar 800 km. de ferrocarriles

Estudo entregue à troika propõe fecho de 800 km de linha férrea

Carlos Cipriano 


Documento feito, à revelia da Refer, pelo anterior Governo do PS deixa a rede ferroviária circunscrita basicamente ao eixo Braga-Faro, Beira Alta e Beira Baixa. Restantes linhas seriam amputadas ou desapareceriam.
A concretizar-se, será uma razia idêntica à do fim dos anos de 1980, quando Portugal encerrou 800 quilómetros de linhas de caminho-de-ferro, sobretudo no Alentejo e em Trás-os-Montes. O Governo de José Sócrates propôs à troika o encerramento de 794 quilómetros de vias-férreas, também com particular incidência no Norte e no Alentejo, mas desta vez incluindo algumas linhas do litoral, como a própria Linha do Oeste, que seria encerrada entre Louriçal e Torres Vedras (127 quilómetros).

O estudo foi realizado, à revelia da Refer, por uma equipa conjunta do Ministério das Finanças e do Ministério das Obras Públicas e Transportes. E consolida o fim das linhas que até agora estavam encerradas "provisoriamente" à espera de obras de modernização (Corgo, Tâmega, Tua e troços Figueira da Foz-Pampilhosa e Guarda-Covilhã, num total de 192 quilómetros). Inclui também a Linha do Douro, entre Régua e Pocinho (68 quilómetros), a Linha do Leste entre Abrantes e Elvas (130 quilómetros), a Linha do Vouga (96 quilómetros), o ramal de Cáceres (65 quilómetros), a Linha do Alentejo entre Casa Branca e Ourique (116 quilómetros). Esta última deixaria Beja sem comboios, apesar de, neste momento, a CP estar a preparar uma oferta especial desta cidade aos Intercidades de Évora.

www.ecosfera.publico.pt

Verano en Portugal/ Playas de Estoril... para planear nuestro próximo viaje


Lembranças da praia

Mas uma das minhas lembranças mais antigas é sobre a praia: nós ficávamos na paragem da camioneta, que ficava ao lado duma azinhaga junto a um pequeno rio, no Cacém. Eu não me atreveria a passar na azinhaga sozinha dada a sua configuração, meia escura e sem se ver o fundo, o que me metia medo, mas ao mesmo tempo me atraía. Enquanto esperávamos pela camioneta que havia de dar a volta ao mundo antes de nos fazer aterrar no areal de Santo Amaro de Oeiras, eu fixava a azinhaga, numa atitude interior de contemplação e pensava que um dia a percorreria sem medo. Antes disso poder acontecer, foi ali construído um prédio que derrubou as minhas intenções de dominar o medo. Mas a espera da camioneta era já uma emoção na dinâmica da praia, antevendo-se um dia i n t e i r i n h o esparramada na areia a apanhar escaldões ou dentro de água a engolir pirolitos, mas em ambas as situações, enquanto a pele ficava castanha, tão castanha que durava dum ano para outro. Não havia protectores solares e sim bronzeadores para apressar a camada castanha e deixar os fatos de banho e biquinis todos manchados com nódoas que não saiam mas que eu nem via! Bronzaline era o rei dos bronzeadores, ajudando-nos a atingir os nossos objectivos assim que espalhávamos a mistela na pele deixando-a imediatamente com ar de quem tinha vindo do Sudão. Os escaldões eram tratados com pachos de algodão embebidos em álcool quando chegávamos a casa e eram apenas ossos do ofício, nada mais.
Eu que sempre fui generosa de peito, numa ocasião queimei-me de tal forma que tinha que dormir com um soutien apertado para que as mamas ficassem no sítio sem se mexer nem um milímetro; a coisa foi de tal maneira que a minha mãe levou-me à farmácia! Ora naquela altura ir à farmácia por causa duma coisa daquelas era como ir ao médico porque nos tínhamos engasgado, visita perfeitamente ridícula já que qualquer engasgo passa com uma valente palmada nas costas. O senhor da farmácia deu-nos uma pomada que pus nessa noite em quantidade generosa pois o dia seguinte era dia de ... praia! E à praia não se faltava.
Falava eu das minhas memórias mais antigas para dizer que recordo uma cena que se passou enquanto esperávamos a camioneta, mas em Santo Amaro de Oeiras, já de regresso. A paragem, onde as bichas (antigamente não havia filas, só bichas) se amontoavam e acotovelavam era no jardim, onde horas antes os veraneantes tinham feito piqueniques, e hoje há um McDonald. Depois de tantas horas debaixo dum sol abrasador, com um cansaço enorme vindo das cinco ou seis da manhã, hora a que se levantavam estes viajantes para empreender a dura jornada, depois de horas de camioneta para lá e na expectativa das mesmas horas de regresso, todos ansiavam por um lugar sentado, nem que fosse um por família e, assim, podiam ir trocando ao longo da viagem. Com ânimos quase sempre exaltados lá se punham uns engraçadinhos no fim da fila, embora eles afirmassem que estavam no início há horas, independentemente de ninguém os ter visto. Tenho presente uma destas cenas em que o meu pai fez valer a sua voz possante e deu dois berros a dois homens que queriam passar à frente. Foi secundado por outros que estavam igualmente na bicha há imenso tempo e já viam os seus lugares sentados ocupados por outros rabos que não os seus. De repente, os dois homens foram cercados por várias caras ameaçadoras de vários pais de família que não se inibiam nada em lhes dar um enxerto de porrada, aqui e agora, para depois descansarem nos seus lugares sentados. Lembro-me que tinha o coração a cem à hora e me passaram pela cabeça imagens do dia fantástico que estava a terminar e recordo-me perfeitamente de pensar, como é que era possível que um dia tão bom pudesse acabar assim, como? A bem da verdade, já não me lembro se viemos sentados ou em pé, mas cada vez que passo no jardim vejo o meu pai, novo e com bigode preto, a gritar em coro com mais dois ou três pais de outras crianças e lembro-me desse dia de praia em particular.
Fazendo uma análise, os dias de praia são talvez a acção repetida ao longo da vida de que mais me lembro em particular: os fins de tarde na Fonte da Telha foram soberbos, inesquecíveis e irrepetíveis. Coisas tão boas não se repetem, é isso que faz delas o que são e que as mantém no pódium uma vida inteira. Mas apesar de não se repetirem, podemos multiplicá-las e ter outras igualmente boas.
Haverá coisa melhor que um dia de praia?



www.areiaasondas.blogspot.com

domingo, 26 de junio de 2011

La Asociación Portuguesa en Comodoro Rivadavia/ Un poco de historia

El 7 de octubre de 1923 fue constituida por los primeros inmigrantes que llegaron -a partir de 1902- a estas lejanas tierras desérticas de la Patagonia Argentina, recién pobladas (1901), a 2.000 kilómetros de Buenos Aires...
    Los objetivos eran dar ayuda a los compatriotas: asistencia médica y medicinas; y festejar las fechas históricas portuguesas (10 de junio, 5 de octubre)
    Para cumplir esos objetivos fueron dando los siguientes pasos:

1.    En 1923 formalizaron la Institución: Asociación Portuguesa de Beneficencia y Socorros Mutuos.

2.    En 1927 construyeron la primera sede social propia, en Belgrano 756.

3.    En 1934 inauguraron la Biblioteca “Guerra Junqueiro”

4.    Entre 1930 y 1963, contrataron servicios médicos y centros médicos, y tenían convenios para derivar enfermos graves a Buenos Aires.

5.    Entre 1930 e 1963, tenían servicios funerarios para atender a los asociados.

6.    En 1946 se compró el Salón de Fiestas, que sería el célebre SALÓN LUSO, en San Martín 757, y que marcó rumbos en las fiestas de carnaval en la historia de Comodoro Rivadavia, constituyéndose en el Salón de la ciudad por muchos años.

7.    En 1953 se hizo la remodelación de las instalaciones de la sede social.

8.    En 1958 se remodelaron las nuevas oficinas, en los altos del Salón Luso.

9.    En 1982, se remodela el Salón Luso.

10.  En 1986 se concretó la inauguración del “Quincho” y Salón de Fiestas “Amália Rodrigues”. Se habilitó un consultorio médico gratuito para todos los asociados sin obra social, atendido ad honorem por el Dr. José María Amado, en San Martín 757.

11.  En 1988 la Asociación Portuguesa propone la unificación de todas las comunidades extranjeras de la ciudad, para festejar y conmemorar el día del inmigrante. Se funda así, la Federación de Comunidades Extranjeras -19 asociaciones- . Su primer Presidente fue el Dr. José Maria Amado, entonces presidente de la Asociación Portuguesa. En la  actualidad, los festejos del día del inmigrante se han convertido en la fiesta popular más importante y grande de la Patagonia.

12.   En 1998, la Asociación construyó e inauguró el Monumento al inmigrante Portugués,  en la Avenida Portugal.

13.   En 2002, inaugura la Nueva Sede, oficinas para Secretaría, y oficinas para el Consulado Honorario, Salón Cultural Luis Vaz de Camões y el patio y jardín Portugués, convirtiéndose en un hito arquitectónico en el centro neurálgico de la ciudad.

Recuerdos/ Actividades y homenajes de la Asociación Portuguesa de Beneficencia y Socorros Mutuos

Entrega de medallas al mérito a los asociados más antiguos: Sr. José Tomé Gago, Maria Da Gloria Tomáz de Do Nascimento y Sra. Teresa Lázaro de Gonçalves.

image


































image

























image

Nota publicada en la página web de la Asociación Portuguesa de Comodoro Rivadavia, provincia de Chubut, Argentina.




















Tangos en Faro con Alexandre Bellarosa y Katioa Rodrigues

O tango vai passar por vários espaços culturais farenses até ao início de julho.
A capital algarvia vai receber vários espetáculos de tango da tournée europeia de Alexandre Bellarosa e Katia Rodrigues entre 26 de junho e 3 de julho.
“Momentos Sublimes” é o primeiro espetáculo que se vai realizar no âmbito desta iniciativa e vai decorrer no Conservatório Regional do Algarve no dia 26, a partir das 18h00.
Entre 27 de junho e 2 de julho vai decorrer um workshop de Tango na Biblioteca Municipal de Faro enquanto o Museu Municipal de Faro vai receber o espetáculo “Tango nos Claustros”, no dia 30, a partir das 22h00.
O Cinema Ossónoba, em Estoi, é outro dos espaços culturais farenses que integra este programa de espetáculos. Para este espaço está marcado o espetáculo “Tango e Fado” que se realiza a 2 de julho, a partir das 21h30.
A 3 de julho, o Ginásio Clube de Faro acolhe um cocktail e momento de confraternização entre Alexandre Bellarosa e Katia Rodrigues com os professores e alunos do workshop.
Importa referir que este programa é organizado pelo Gináseio Clube de Faro e o Centro Cultural Algarve e Alentejo de São Paulo, do Brasil, e conta com o apoio da autarquia farense.

JORNAL DO ALGARVE

Ultima galería de fotos tomadas por Julio César Sousa en "Buenos Aires celebra Portugal"



Ecos de "Buenos Aires celebra Portugal 2011" Más imágenes de Julio Cesar Sousa

Julio Cesar Sousa, amante de la fotografía, captó expresiones y rostros que publicamos con mucho placer.




Este gran acontecimiento se desarrolló el sábado 18 de junio del 2011 en plena Avenida de Mayo, en el centro de Buenos Aires, gracias al trabajo, el compromiso y el gran esfuerzo de sus organizadores, integrantes de las comunidades portuguesas en Capital Federal y el Gran Buenos Aires. El año que viene, seguramente, haremos otro esfuerzo quienes estamos en las distintas provincias para enviar alguna muestra de nuestra presencia.

Esperamos sus comentarios aquí o en nuestro correo lusodescendientes@yahoo.com.ar

Buenos Aires celebra Portugal

Mocidade Portuguesa en "Buenos Aires celebra Portugal 2011"

Compartimos las palabras de Dulio Moreno para ellos en Facebook:
GRACIAS MOCIDADE!!! por vuestra gentileza e inmensa generosidad. Por llevar siempre en alto las tradiciones de Portugal. Anhelamos que muy pronto esten dandonos esa magia que solo ustedes saben brindarnos. Estamos seguros de que asi sera!