EL LIBRO DE LOS INMIGRANTES

EL LIBRO DE LOS INMIGRANTES
Pídalo a lusodescendientes@yahoo.com.ar

domingo, 24 de enero de 2016

LA REVISTA REPORTER X REPRODUCE TEXTOS DE PORTUGAL QUERIDO EN PORTUGUES

pida su ejemplar de PORTUGAL QUERIDO  a lusodescendientes@yahoo.com.ar

sábado, 23 de enero de 2016

InAlgarve.net/ Livro relata vida dos emigrantes

Lea el artículo en A VIDA DOS EMIGRANTES


Relatos emocionados de emigrantes que deixaram Portugal e encontraram na Argentina um novo lar.

 “Vivíamos em São Brás de Alportel... e o meu pai levava-me a passear todos os dias quando chegava do trabalho. Eu era a filha mais velha de três irmãos e de mais um ainda por nascer..." Esta é apenas uma das histórias de 'Portugal Querido', um livro assinado por Mário dos Santos Lopes que relata as memórias das famílias que deixaram Portugal e se radicaram na Argentina.

Mário dos Santos Lopes, jornalista e professor, é ele próprio filho de portugueses que dobraram o Atlântico à procura de um novo lar. Depois do apelo lançado nas redes sociais, selecionou 254 páginas "recheadas de testemunhos de emigrantes, referências históricas da passagem portuguesa pela Argentina, homenagem a clubes a associações dedicadas à nossa cultura e ainda relatos de cantoras argentinas que se apaixonaram pelo fado".

Em 'Portugal Querido', há testemunhos de emigrantes portugueses de várias origens, mas sobretudo algarvios. Para a hercúlea tarefa, Mário dos Santos Lopes contou com o apoio do irmão Victor, que abriu em Córdoba a Pousada São Brás. Ao longo de cinco anos procurou histórias de portugueses e foram mais os relatos que aquelas que pode colocar no livro. Rosa Fernandes, professora de português em Villa General Belgrano, António Monteiro, o famoso pintor que nasceu em Lisboa e que vive, desde décadas, na cidade de Córdoba também lá estão.

E Yudith conta o relato emocionado da partida do pai, as dificuldades da mãe para criar os filhos e do novo irmão que deveria chamar-se Abel. Havia também as cartas do pai: "Numa delas, ele dizia: 'Yudith, neste momento, olhando as estrelas, vejo nelas o brilho dos teus olhos', palavras que me ficaram gravadas na memória, apesar da minha tenra idade".

"Um livro magnífico" / GRATIFICANTE MENSAJE DE MARIA MANUELA AGUIAR, TITULAR MUNDIAL DE LA MULHER MIGRANTE

¿Todavía no leyó PORTUGAL QUERIDO, el gran homenaje a los inmigrantes portugueses? Pida su ejemplar a lusodescendientes@yahoo.com.ar

El capellán de la colectividad portuguesa argentina recibió PORTUGAL QUERIDO

EMOCIONES Y RELATOS REALES DE INMIGRANTES PORTUGUESES en un LIBRO UNICO. Lea y regale PORTUGAL QUERIDO. Pida su ejemplar a lusodescendientes@yahoo.com.ar

ZE PERDIGAO RECUERDA QUE FUE IGNORADO EN BUENOS AIRES POR EL EMBAJADOR SILVEIRA BORGES

Tal como Tony, Zé Perdigão foi ignorado por embaixador

"É lamentável que os nossos representantes no estrangeiro em vez de nos enaltecerem só se foquem no que temos de mau", disse Zé Perdigão.

19/01/16
O caso de Tony Carreira exposto pelo próprio nas redes sociais deu muito que falar. O cantor romântico foi condecorado pelo Governo francês, que lhe atribuiu a medalha de Cavaleiro das Artes e das Letras de França. Na sua página de Facebook, o artista português mostrou-se triste pelo facto da cerimónia não ter decorrido na embaixada portuguesa, em Paris.
PUB
Ads by Rubicon Project
No entanto, segundo o que o Jornal de Notícias apurou esta não foi a primeira vez, em que um artista nacional foi ignorado por um embaixador português.
No caso de José Perdigão, a situação revelou-se bem mais complicada. O cantor foi condecorado Cidadão Honorário pelo Governo Provincial da cidade de Buenos Aires. Tal distinção nunca tinha sido dada a um artista português.
Segundo o que o músico contou à publicação, o embaixador português na capital da Argentina recusou-se a estar presente na cerimónia, pelo facto de não gostar do nome do álbum de Perdigão: 'Sons Ibéricos'. "Disse que se o álbum se chamasse 'Sons Portugueses', que iria. Mas que o iberismo já não existia", referiu.
Henrique Silveira Borges (Embaixador português em Buenos Aires) não só se recusou a estar presente na entrega da condecoração a José Perdigão, como também não enviou nenhum representante.
"É lamentável que os nossos representantes no estrangeiro em vez de nos enaltecerem só se foquem no que temos de mau", disse. "Não percebo este tipo de atitudes nem encontro um adjetivo para as descrever", terminou.
FUENTE: www.famaaominuto.com